PROJETO GIDS/CNPQ 2013/2016

O desenvolvimento do turismo no Estado da Paraíba, enquanto alternativa para promoção e inclusão do Estado no desenvolvimento regional, ainda se apresenta de forma diferenciada ao supervalorizar os espaços litorâneos atividades específicas como as de ordem religiosa ou de eventos em detrimento do uso dos ambientes e das heranças historiográficas culturais que caracterizam a região não atingindo, assim, a eficiência necessária ao planejamento regional. Foi com base neste quadro de referência que propomos a inclusão do conhecimento geográfico como alternativa para a difusão de espaços turísticos no Estado da Paraíba. A proposta esteve fundamentada em parâmetros qualiquantitativos. A partir da congregação de pesquisadores especializados em abordagens específicas da Geografia, buscou-se proporcionar a difusão do turismo segundo parâmetros geocientíficos enquanto fundamentos para a difusão do turismo no Estado.

Contribuição da Pesquisa para o planejamento do turismo no Estado da Paraíba

A pesquisa evidenciou que a ausência de ações de planejamento voltada para a criação de espaços turísticos por parte do poder público e a falta de investimentos do setor privado trouxe consigo a implementação de modelos alternativos na realização da atividade turística. Esta nova forma de “se fazer turismo” vem, no entanto, sendo motivo de preocupações uma vez que a maioria é feita de forma amadora o que pode resultar em danos irreversíveis ao meio ambiente. Isto, no entanto, se deve ao fato que de um lado o setor público não se encontra preparado para assumir a posição de gestor e real articulador desta nova prática de se fazer turismo e de outro as dificuldades econômicas influenciam no confronto as normas estabelecidas pelo poder público. Isso foi evidenciado no caso do Estado da Paraíba através do levantamento de dados e atividades de campo realizados entre fevereiro de 2014 e maio de 2016. Aplicando-se a metodologia proposta por Boullon (2002) observou-se quatro áreas turísticas, das quais a formação de uma zona turística que conecta o litoral ao agreste tendo, respectivamente, as cidades de João Pessoa e Campina Grande como centro turísticos. O primeiro congrega municípios da zona da mata paraibana e possui como características a presença de espaços turísticos reais e potenciais em processo de estruturação. O segundo compreende municípios do agreste paraibano que apesar de desenvolver eventos e atividades possui grande fragilidade em termos de integração dos atributos. O próprio centro turístico mapeado possui deficiência em sua funcionalidade como espaço turístico. Os outros dois (Borborema e Sertão) são potenciais e carentes de elementos de estruturação. Diante desse quadro de referências fica evidenciado a sobrevalorização dada a alguns espaços enquanto palco de exclusividade para o desenvolvimento do turístico. A pesquisa evidenciou no indicador qualidade de vida (promoção da saúde) um fator essencial para a elaboração de políticas públicas de turismo.

Equipe Executora

Prof. Dr. Xisto Serafim de Santana de Souza Júnior (Coordenador do projeto)

Profa. Dra. Martha Priscila Bezerra Pereira

Prof Dr. Sérgio Luiz Malta de Azevedo

Profa. Dra. Janaina Barbosa da Silva

Profa. Dra. Débora Coelho Moura

Mapas

GIDsufcg, dezembro de 2020

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE, RUA APRIGIO VELOSO, 882, BAIRRO CIDADE UNIVERSITÁRIA, BLOCO BH, SALA 5

Elaborado por Xisto Souza Jr (999407075(